Fátima Bernardes começou o Encontro desta sexta-feira (05) com a sua indignação em relação ao discurso de Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a Covid-19 no Brasil. A apresentadora exibiu as falas do político sobre como a população está com frescura diante do caos da saúde pública. Ela criticou a postura de Bolsonaro e lamentou pela falta de piedade com a população brasileira.

“Ouço isso com muita tristeza. Isso não tem a ver com política, gente. Isso tem a ver com piedade, solidariedade, respeito à dor alheia. Não tem a ver com uma questão política”, iniciou. André Curvello, que estava ao lado de Fátima, reiterou: “(Não tem a ver com ideologia partidária”.

Durante o discurso, Bolsonaro afirmou que os brasileiros estão de mimimi em relação à pandemia e às mortes causadas pelo vírus. “Nós temos que enfrentar os nossos problemas. Chega de frescura, de ‘mimimi’. Vão ficar chorando até quando? Temos que respeitar obviamente os mais idosos, aqueles que têm doenças, comorbidades. Mas, onde vai parar o Brasil se nós pararmos?”, disse o político.

Advertisement

A jornalista continuou a sua fala afirmando que Bolsonaro propaga a desinformação ao excluir de seu discurso dados que comprovam que os idosos não são mais os principais infectados pelo vírus, mas sim os jovens.

“É uma questão de você ter um certo estranhamento diante de uma declaração como essa. O que preocupa é ser uma opinião ouvida – porque é do presidente do país -, e a questão da desinformação. Ele fala da preocupação com os idosos. Claro que a gente tem que ter essa preocupação, só que nessa segunda onda que chegou antes de a gente se livrar da primeira, o número de pessoas jovens contaminadas é imenso”, disse Fátima.

Advertisement

Curvello completou a fala da apresentadora: “Dá para responder um pouco da pergunta do presidente: ‘Onde vai parar? Vai parar no cemitério’”.

A jornalista concordou e lamentou por aquelas pessoas que vão em busca de atendimento médico e acabam morrendo antes de recebê-lo.  “As pessoas estão ficando desesperadas nos hospitais, porque não tem como atender. Estão morrendo do lado de fora, realmente é um desespero”, disse Fátima.

Advertisement
Advertisement