Após o vazamento de um áudio em que o jornalista Chico Pinheiro aparece defendendo o ex-presidente Lula e criticando a cobertura da própria Globo (ouça  e leia aqui o que ele disse), jornalistas estão proibidos de fazer o mesmo.

>Demitido do Encontro, humorista ironiza Fátima Bernardes e constrange Anitta; confira a confusão




De acordo com o site Notícias da TV, o Diretor-geral de Jornalismo da Globo, Ali Kamel, enviou uma carta aos contratados exigindo a questão.

>Rodrigo Faro cancela festa de casamento que pagaria pra Carlos Alberto; veja o que aconteceu

A partir de agora, todos estão proibidos de se posicionar politicamente tanto para defender, quanto para criticar o ex-presidente ou qualquer outro político.




“Não se pode expressar essas preferências publicamente nas redes sociais, mesmo aquelas voltadas para grupos de supostos amigos. Pois, uma vez que se tornem públicas pela ação de um desses amigos, é impossível que os espectadores acreditem que tais preferências não contaminam o próprio trabalho jornalístico, que deve ser correto e isento”, diz trecho da carta.

Ele continua dizendo que a Globo é isenta e por isso seus contratados também devem ser: “A Globo é apartidária, independente, isenta e correta. Cada vez que isso acontece, o dano não é apenas de quem se comportou de forma inapropriada nas redes sociais. O dano atinge a Globo. E minha missão é zelar para que isso não aconteça. Portanto, peço a todos que respeitem o que está em nossos Princípios Editoriais (e nos dos jornais sérios de todo o mundo)”